sexta-feira, março 28, 2008

Jacarandá em Lisboa

"Nas ruas de Lisboa, os jacarandás floriam como se a natureza não perdesse nunca a memória das cores. Como archotes, velavam pelo canto dos loricos, cacoaques e outros pássaros feridos, na época de ai-dik-funam."

Luís CARDOSO in "Crónica de uma travessia - A época do ai-dik-funam"
Lisboa, Publicações Dom Quixote, 1997

"In the streets of Lisbon, the jacaranda trees were blooming as if nature had never lost its memory for colours. Like flaming torches, they kept vigil over the songs of the lorikeets, the cacoaques and all the other wounded birds, in the season when the coral tree flowers."

Luís CARDOSO in "The Crossing - A Story of East Timor"
London, Granta Books, 2000 (Tradução de Margaret Jull Costa)


"Dans les rues de Lisbonne, les jacarandas étaient en fleurs comme si la nature ne perdait jamais le souvenir des couleurs. Comme des torches, ils veillaient sur le chant des oiseaux de paradis, les loricos, les cacoaques et autres oiseaux blessés, à l'époque de l'ai-dik-funam."

Luís CARDOSO in "Une île au loin"
Paris, Éditions Métailiè, 2000 (Tradução de Jacques Parsi)



[Encontrei esta bonita fotografia no blogue Zoo, e foi também publicada numa bela sequência sobre os jacarandás de Lisboa no blogue Arboretto.]

2 comentários:

JG disse...

João Paulo, fico-te muito grato por teres enriquecido muito o meu post sobre os jacarandás e o da Lúcia, no Arboretto.

Na verdade, o que se passou foi isto:
No blog da Lúcia, o Arboretto, feito por uma arquitecta de Brasília ecujo link está no meu post, vi há dias uma referência à quase extinção de jacarandás no Brasil. Lembrei-me dos belíssimos jacarandás de Lisboa.
Enviei-lhe então algumas fotografias e uns textos de Eugénio de Andrade que amava os jacarandás, estivessem eles onde estivessem.

O mérito é portanto da Lúcia que assim homenageou a nossa bela cidade de Lisboa.
Se puderes vai lá ao blog dela e deixa-lhe um miminho. A lúcia merece.

Um abraço

lucia disse...

Olá João Paulo
Grata por seus comentários e visitas. Bem, lendo seu blog acabamos por constatar e lembrar que a luta permanece a mesma em todo o lugar, violência contra as mulheres, direitos políticos, temos que ter flores, jardins, jacarandás para nos livrar destas misérias e infelicidades. abraços.