domingo, janeiro 15, 2006

Uma história de meter medo

Díli, sexta-feira, 13 de Janeiro de 2006

Era uma vez, há muito, muito tempo, num reino não tão distante, um rapazinho bem intencionado. Um dia, num dia 25 de Abril (que é a data em que no reino, esse sim distante, de onde o rapazinho da nossa história tinha vindo as pessoas boas celebram a liberdade e as pessoas más se entretêm a tramar a vida ao próximo), ele recebeu a notícia de que ia ser saneado. Ficou triste, muito, muito triste, porque o moço tinha verdadeira paixão pelo trabalho que fazia. Era professor.
Uns tempos mais tarde, andava o moço preocupado a tentar arranjar forma de continuar a trabalhar no reino que tinha adoptado como seu, encontrou na escada do sítio onde trabalhava uma senhora sua colega de instituição. Essa senhora logo fez um ar pesaroso e declarou que tinha acabado de saber – o moço não acreditou – que ele ia ser posto na rua, e, com malícia na voz, inquiriu se ele planeava ficar por aqui, talvez a trabalhar no jornal onde ele escrevia umas coisas. O moço explicou as razões pessoais pelas quais não poderia viver só com um salário timorense. A senhora retorquiu então «Mas se vieres aqui dar uma cadeira» - ela era a Chefe “ali” - «já podes ganhar mais uns tostões!...». O rapazinho, que era ingénuo mas não era parvo, percebeu que a senhora estava a gozar com ele. Isso aborreceu-o mais ainda porque, como todos os colegas, já tinha ouvido milhentas vezes a senhora gabar-se de como era uma herdeira rica e como oferecia o dinheiro que ganhava ali a uma instituição de caridade timorense. O moço não achava muita piada que ela, não precisando de dinheiro, se divertisse a gozar com os pobres. Principalmente sendo ele o pobre em questão no presente caso. O moço decidiu naquele momento que se alguma vez escrevesse um romance ela apareceria com um papel semelhante ao do Homem do Sobretudo nos quadros do Professor nos “Capitães da Areia”. E já tinha nome para ela, dado por outrem, mas que se enquadrava no espírito da coisa: Vestidu Boot.
A senhora Vestidu Boot tinha nessa época como companheira de folguedos uma senhora que lá no reino natal se divertia a manejar cordelinhos, qual titereiro, de uma vasta rede de professores, professorzinhos e professorzões espalhados pelo mundo. Tinha também por função decidir sobre as notícias que eram autorizadas na gazeta que era proclamada aos quatro ventos pelo arauto do reino. Ora por essa altura andavam os escribas da tal gazeta a recolher depoimentos dos colegas do rapazinho da nossa história e dele próprio sobre o que é que eles afinal andavam por ali a fazer. Na manhã de um dia triste – eram todos tristes os dias desta outra senhora – ela decidiu cortar da tal gazeta todas as referências ao trabalho do nosso rapazinho bem intencionado. Tinha visto na véspera a versão em desenhos animados do “Animal Farm” de George Orwell e ficara encantada com as técnicas estalinistas de reescrita da História. Era afinal uma excelente ideia apagar da fotografia os membros do Comité Central caídos em desgraça aos olhos do(a) Grande Líder Todo(a) Poderoso(a). Quando o rapazinho leu a gazeta, onde o seu nome não aparecia, não ficou surpreendido – ele tinha lido Orwell. Essa outra senhora ficaria para a posteridade com o nome de Senhora Dona Do Lápis Azul Da Censura.
O rapazinho da nossa história andava a ler o Diário de Miguel Torga e numa entrada datada de Coimbra, 13 de Novembro de 1940, encontrou: “Tenho a impressão de que certas pessoas, se soubessem exactamente o que são e o que valem na verdade, endoideciam./ De que, se no intervalo da embófia e da importância, pudessem descer ao fundo do poço e ver a pobreza franciscana que lá vai, pediam a Deus que as metesse pela terra dentro.”

ADVERTÊNCIA: Esta é evidentemente uma história de ficção; citando Paco Ignacio Taibo II na Nota do Autor do belíssimo livro “Cuatro Manos” (1990): «Qualquer semelhança com a realidade é culpa da realidade que, por certo, como dizia Paco Urondo, cada vez se está a pôr mais esquisita.» *
Qualquer leitor moderadamente cínico sabe que “de boas intenções está o Inferno cheio” e qualquer leitor razoavelmente atento aos discursos dos governantes do reino natal do rapazinho da história deveria saber que as instituições de tal reino não colocam em posições de chefia pessoas como a Senhora Dona Do Lápis Azul Da Censura e a Senhora Vestidu Boot.

*Tradução de Viale Moutinho (Difel, 1994). O texto original em língua espanhola diz: “Cualquier parecido con la realidad es culpa de la realidad; que por cierto, como decía Paco Urondo, cada vez se está poniendo más rara.


Dili, sesta-feira, dia 13 fulan-Janeiru 2006

Hori uluk, hori wa'in, iha reinu ida ne'ebé ladún dook, iha labarik-mane ida ho laran-di'ak no intensaun di'ak. Loron ida, iha loron-25 fulan-Abríl (iha data ne'e maka iha reinu seluk, ida-ne'e dook loos, ne'ebé labarik-mane husi ita-nia istória mai husi ne'ebá, ema laran-di'ak selebra liberdade no ema laran-aat pasa sira-nia tempu buka de'it jeitu atu halo aat ba ema sira seluk), nia simu notísia katak ema sei duni-sai nia husi ninia serbisu. Ne'e halo nia sai laran-kraik, laran-kraik tebetebes, tanba mane foin-sa'e ne'e hadomi loos serbisu ne'ebé nia halo. Nia profesór ida.
Tempu balu tan ba oin, mane foin-sa'e ne'e hala'o hela ninia moris ho fuan-taridu buka hela jeitu atu bele kontinua serbisu iha reinu ne'ebé nia konsidera ona hanesan mós ninian, nia hetan iha eskada iha ninia serbisu-fatin señora ida ne'ebé mós serbisu iha ninia instituisaun. Señora ne'e halo kedas jeitu hanesan ema ne'ebé laran-todan no hatete katak nia foin hatene – mane foin-sa'e la fiar – katak mane ne'e sei lakon serbisu, no, ho jeitu hanesan lia-soen no laran-makerek, señora husu se nia iha planu atu kontinua nafatin iha-ne'e, kala hodi serbisu iha jornál ne'ebé nia toman hakerek testu balu. Mane foin-sa'e ne'e esplika razaun privadu familiár ninian tanbasá maka nia sei la bele hala'o nia moris ho saláriu hanesan timoroan sira baibain manán fulafulan. Señora entaun hatán «Maibé se ó mai hanorin dixiplina ida iha-ne'e» - señora ne'e maka Xefe “iha-ne'ebá” - «ó sei bele manán doit balu tan!...». Labarik-mane, ne'ebé ema ho laran-simples maibé la'ós ema beik, komprende katak señora ne'e goza hela nia. Ne'e halo nia raan-nakali liu tan, tanba hanesan mós kolega sira hotu, mane foin-sa'e ne'e rona tiha ona dala rihun ba rihun señora ne'e gaba an tanba nia erdeira rikasu no nia oferese osan ne'ebé nia manán iha-ne'ebá ba instituisaun-karidade timoroan sira-nian. Mane foin-sa'e ne'e ladún sente kómiku katak feto ne'e, tanba la presiza osan, gosta buka kontente liuhosi goza ema kiak. Liuliu tanba iha kazu ida-ne'e nia rasik maka mane-kiak. Mane foin-sa'e deside iha momentu ne'ebá kedas katak se loron ida nia sei hakerek romanse ida señora ne'e sei mosu iha istória ho papél hanesan “Homem do Sobretudo” [Mane ho Kazaku Naruk] nian iha pintura husi “Professor” iha livru “Capitães da Areia”. No nia iha ona naran ba feto ne'e, ke ema seluk maka tau tiha, maibé iha relasaun loos ho situasaun ne'e: Vestidu Boot.
Señora Vestidu Boot iha otas ne'ebá iha nu'udar maluk ba ninia halimar señora ida ne'ebé iha reinu ne'ebé sira moris bá pasa nia tempu hodi buka kontente kaer talin, hanesan fali boneku-na'in, ba rede luan ho profesór, profesór-ki'ik no profesór-boot barak namkari iha mundu. Nia knaar mós atu deside kona-ba notísia ne'ebé sei simu autorizasaun atu mosu iha jornál ne'ebé manu-ain reinu nian fó-sai kari iha anin. Ne'ebe iha tempu ne'ebá hakerek-na'in jornál ne'e nian buka hela lia-menon no informasaun husi labarik-mane iha ita-nia istória nia kolega sira no husi labarik-mane ne'e rasik kona-ba saida maka afinál sira halo hela iha-ne'ebá. Iha dadeer husi loron triste ida – señora seluk ne'e nia loron hotu-hotu triste – señora ne'e deside atu riska-sai husi jornál ne'e fraze hotu-hotu ne'ebé temi serbisu halo husi ita-nia labarik-mane ho laran-di'ak no intensaun di'ak. Iha loron antes señora seluk ne'e foin haree versaun ho dezeñu-animadu husi “Animal Farm” husi George Orwell no nia sai kontente loos ho téknika estalinista hodi hakerek filafali Istória. Nia hanoin katak ne'e ideia di'ak tebes atu hamoos husi fotografia membru sira Komité Sentrál nian ne'ebé la kona ona Ukun-Na'in Boboot nia laran. Bainhira labarik-mane lee jornál, ne'ebé ninia naran la mosu, nia la hakfodak – uluk nia lee tiha ona Orwell. Señora seluk ne'e sei sai koñesida iha futuru ho naran Señora Sensura-Na'in.
Iha tempu ne'ebá labarik-mane husi ita-nia istória lee hela “Diário” husi Miguel Torga no iha testu ho data husi Koimbra, dia-13 fulan-Novembru 1940, nia hetan: “Ha'u sente katak ema balu, se sira hatene loloos sira an oinsá no sira vale saida-loos, sira sei sai bulak./ Katak, se iha intervalu husi sira-nia foti an no halo an, sira bele tun ba posu nia kidun no haree loloos oinsá maka sira iha-ne'ebá la vale buat ida, sira sei husu ba Maromak atu hatama-hasubar sira iha rai okos.” [Tradusaun ha'u-nian]

AVIZU: Konserteza, ne'e istória-fiksaun ida; ha'u temi Paco Ignacio Taibo II nia Nota husi Autór iha livru furak tebes “Cuatro Manos” (1990): «Se iha buat ruma ne'ebé hanesan realidade karik, entaun ne'e tanba realidade mak sala; ne'e duni, hanesan Paco Urondo dehan, realidade sai eskizita liu tan ba beibeik.» *
Naran leitór ida ne'ebé síniku uitoan hatene katak “de boas intenções está o Inferno cheio” [Infernu nakonu ho ema ho intensaun di'ak] no naran leitór ida ne'ebé fó atensaun uitoan ba diskursu husi ukun-na'in sira iha reinu ne'ebé labarik-mane iha ita-nia istória moris iha-ne'ebá iha obrigasaun hodi hatene katak instituisaun sira iha reinu ne'ebá la hili atu sai xefe ema hanesan Señora Sensura-Na'in no Señora Vestidu Boot.

*Tradusaun ami-nian. Testu orijinál iha lian españól dehan: “Cualquier parecido con la realidad es culpa de la realidad; que por cierto, como decía Paco Urondo, cada vez se está poniendo más rara.

quinta-feira, janeiro 12, 2006

wikipedia em tétum

A wikipedia é uma enciclopédia gratuita em linha, mantida na Internet por wikipedistas (enciclopedistas da wikipedia) voluntários de todo o mundo. É um espaço de colaboração e de partilha e difusão do conhecimento, em muitas línguas. É um projecto bonito...
Agora há algumas pessoas empenhadas em fazer surgir uma versão da wikipedia em tétum, e eu quero participar nesse esforço... Creio que todos os apoios serão benvindos, por isso vem e "traz um amigo também"...
Wikipedia katak ensiklopédia "iha liña" (on line) ne'ebé la selu, ita bele konsulta iha Internet no voluntáriu wikipedista (ema ne'ebé halo ensiklopédia wikipedia ne'e) husi mundu tomak maka halo. Ne'e hanesan fatin ba serbisu lisuk hodi halekar no fó-biban ba ema seluk atu hetan matenek, iha dalen (lian) barak. Ne'e projetu furak ida...
Agora iha ema balu ne'ebé haka'as an daudaun atu hamosu versaun wikipedia iha lia-tetun, no ha'u hakarak hola parte iha esforsu ne'e... Ha'u hanoin katak ema sei simu ho laran-kmanek tulun hotu-hotu ne'ebé mosu, tanba ne'e ó mai hotu no [hanesan kantadór-intervensaun portugés José Afonso uluk kanta:] "lori mós ó nia belun ida mai"...

quarta-feira, janeiro 11, 2006

Resistência e identidade

Texto de Daniel Tércio, publicado no jornal português "Expresso" (Caderno "Actual"), Edição 1732, de 07.01.2006
A CULTURA DA INDEPENDÊNCIA

Língua e identidade cultural em Timor-Leste

O viajante que se detiver na frente da baía de Díli pode disfrutar de uma paisagem magnífica: na direcção do mar, Ataúro, a ilha que interrrompe o horizonte; na direcção oposta, o Palácio do Governo, branco e regular, com o seu jardim fechado ao público, onde existe um pequeno monumento de homenagem ao Infante Dom Henrique (uma espécie de réplica tímida do Padrão dos Descobrimentos em Lisboa).
Hoje, se se sentar alguns minutos sobre o murete da baía, o viajante terá certamente a companhia de um timorense que se aproximará com um sorriso, ensaiando algumas palavras em português. A maior parte das vezes, o timorense esperará que seja o estrangeiro (o “malai”) a falar. Para o “malai”, habituado a evitar os silêncios e os vazios, isto nem sempre será confortável.
Aqui, em Timor Lorosa’e, a língua flui de uma outra maneira, porventura com uma outra lógica, mesmo entre os mais velhos, entre aqueles que a aprenderam antes de 1974 no banco das escolas do regime colonial português. Com efeito, ainda que adoptada como uma das línguas oficiais do novo Estado (o mais jovem país do século XXI), a língua portuguesa continua a ser uma língua estrangeira. Sendo a língua do “outro”, o português é a fala de um outro especial, não do australiano ou do javanês, mas sim de alguém que veio do lado de lá do mundo e a quem muitos timorenses responsabilizam por um certo abandono precipitado em 75. Mas esta língua do “outro”, que é a nossa, tem surpreendentes semelhanças lexicais com o tétum, a primeira língua oficial, falada por 80% da população da jovem República Democrática de Timor-Leste.
O ambiente linguístico - indispensável para traçar o quadro da cultura timorense - afigura-se pois complexo. A respectiva complexidade aumenta quando se sabe que neste território, com cerca de 15000 km2, coexistem pelo menos dezasseis línguas diferentes. O tétum é uma delas, dividindo-se esta em tétum praça (que funciona como língua franca) e tétum téric (mais falado na montanha); além do tétum, fala-se também, por exemplo, o macassai (em Baucau), o mambai (na região montanhosa do centro), o fataluco (na ponta leste da ilha) e o baiqueno (no enclave de Oecussi). Quanto à língua indonésia, imposta brutalmente durante um quarto de século, ela perdura coloquialmente entre uma boa parte da juventude, atraída por uma cultura pop de origem javaneza, e contaminando lexicalmente o tétum praça. Ao mesmo tempo, as empresas com origem australiana aqui instaladas exigem o domínio do inglês ao timorense em busca de trabalho. Resta dizer que a noção de emprego (e por extensão, a noção económica de taxa de desemprego) não se aplica facilmente à situação de Timor. É possível que o trabalho, enquanto processo sistemático de transformação do mundo e de organização social, indispensável para obter regularmente um salário individual, seja um conceito ainda relativamente estranho na cultura timorense; mais de metade da população deste jovem país tem menos de 15 anos de idade, o que certamente ajuda a compreender a relação do timorense com o trabalho sistemático. Um outro aspecto importante para estabelecer o quadro cultural tem a ver com a omnipresença da natureza, uma natureza longe do estado domesticado dos países ocidentais, base de um fundo animista muito forte, que a Igreja Católica não conseguiu anular, não obstante o papel fundamental que tem tido na organização e na fixação dos valores morais da sociedade.
Para a jovem República de Timor-Leste, a escolha do português e do tétum como línguas oficiais constitui certamente uma opção política, um manifesto de independência face aos dois gigantescos Estados vizinhos – opção oficialmente consignada, mas porventura ainda sem um desfecho claro a médio e a longo prazo. Para Portugal e para o conjunto de países de língua oficial portuguesa, a opção é honrosa, porventura interessante no teatro da geopolítica – na medida em que fixa a presença do português no sudeste asiático - mas também inevitavelmente dispendiosa.
O esforço, tanto dos países da CPLP, incluindo Portugal, quanto do jovem Estado timorense, passa por fazer deslocar a língua portuguesa de uma língua do “outro”, do “malai”, para uma língua nossa. Como fazê-lo?
Os governantes que discursaram em frente ao Palácio do Governo, por ocasião da comemoração da Independência nacional, no dia 28 de Novembro, falaram em português para uma população mais interessada nos desfiles das forças militares e das “majoretes” do que propriamente no conteúdo dos discursos.
Ao mesmo tempo, um acontecimento como a Feira do Livro português, organizado pela Embaixada Portuguesa e pelo Centro Cultural Camões, com o apoio logístico de estudantes voluntários da Universidade Nacional de Timor Lorosa’e, constituiu um verdadeiro êxito. Se a colaboração das editoras portuguesas poderia e deveria ter sido mais ampliada, se os autores timorenses como Luís Cardoso e Fernando Sylvan deveriam ter as respectivas obras presentes (o que inexplicavelmente não aconteceu), os preços acessíveis das obras e a preferência concedida aos autóctones na compra dos livros possibilitaram uma interessante proximidade; proximidade que de algum modo se desenrolou também com o programa de visitas a escolas e de conferências proferidas pelos autores lusófonos convidados.
Um dos momentos altos da Feira do Livro aconteceu com o lançamento da obra do historiador José Mattoso (residente em Timor desde o ano 2000), “A Dignidade. Konis Santana e a Resistência timorense”. A obra, publicada pelo Círculo de Leitores em colaboração com a Fundação Mário Soares, constitui, a par com a abertura do Museu da Resistência, uma contribuição decisiva para a História recente do jovem país. Uma das questões mais interessantes, de resto colocada na sessão de lançamento do livro, tanto pelo autor, quanto pelo Presidente Xanana Gusmão, diz respeito à consciência da identidade nacional e ao modo como esta ganhou corpo durante a ocupação indonésia. Com efeito, é possível que a ocupação indonésia tenha jogado a favor da unificação dos antigos reinos (que passaram de uma rivalidade agressiva para a unidade contra o inimigo comum javanês); em consequência, as diferenças linguísticas tornaram-se secundárias e uma nova consciência de pátria emergiu, uma consciência apoiada num forte sentido de civilidade e de dignidade.
A questão linguística continua, porém, uma questão em aberto, que está longe de se resolver com eventos como a Feira do Livro português. Nesta matéria, pelas rotinas que proporcionam, é fundamental o papel que as Bibliotecas e as salas de leitura podem ter no mapa cultural de Timor e no processo de disseminação do português. A Biblioteca do Centro Cultural português, a Biblioteca do Instituto Camões, ou a Sala de Leitura Xanana Gusmão, instaladas em Díli, são diariamente frequentadas por dezenas de jovens que lêem sobretudo a imprensa portuguesa, por vezes com um mês de atraso; fora de Díli, surgem iniciativas verdadeiramente heróicas, como a pequena biblioteca de Manatuto, criada pelo professor Carlos Reis com o apoio das autoridades locais. Para além das bibliotecas, existem em Díli associações culturais e desportivas, que funcionam também como veículo do português. Assim acontece com o Centro Juvenil Padre António Vieira, sediado no bairro Taibesse, actualmente dirigido pela timorense Rosalina Dias.
Além disto está em curso uma importante investigação linguística sobre o tétum e sobre as respectivas relações com o português; 27000 termos constam do prontuário de língua tétum, sendo uma parte substancial de base lexical portuguesa. O Instituto Nacional de Linguística, dirigido pelo Reitor da UNTL, Benjamim de Araújo e Corte-Real, desenvolve a sua acção neste domínio. A instituição, que conta com o apoio oficial do Governo timorense, tem, entre outras, a vantagem de promover o trabalho de equipa, congregando esforços de investigadores como o australiano Geofrey Hull, uma autoridade internacionalmente reconhecida na padronização e fixação escrita da língua autóctone. Neste momento, prepara-se a edição de um dicionário monolingue e acaba de sair uma gramática de tétum escrita em tétum.
Uma outra organização, com o estatuto de ONG, a “Timor Aid”, dirigida por Maria do Céu Lopes, tem tido o papel pioneiro de editar obras em tétum, que faz distribuir pelas escolas dos Distritos. Na verdade, um dos problemas mais complexos passa pela circulação dos bens culturais; com efeito, além da escassez de materiais escritos, avolumam-se dificuldades efectivas e físicas nos indispensáveis meios de comunicação. A produção de conteúdos, em português e em tétum, deverá ser adaptada às condições efectivas no terreno: rede telefónica parcelar, internet incipiente e genericamente com uma baixa largura de banda e más (ou péssimas) estradas. Obras bilingues como “O que é a Lusofonia. Gente, culturas, terras”, preparada por um conjunto de jovens portugueses e timorenses e recentemente editada pelo Instituto Camões, constituem iniciativas meritórias que podem e devem estimular o aparecimento de outras publicações. Neste âmbito, é fundamental por exemplo que a presença da cooperação portuguesa amplie o seu conhecimento das línguas autóctones. João Paulo Esperança, docente no Departamento de Língua Portuguesa da UNTL, especialista em linguística do tétum, colaborador na imprensa local, ou Selma Silva, professora na Escola portuguesa e autora do programa “ondas Lusófonas” na Rádio e Televisão de Timor-Leste, são bons exemplos de um domínio partilhado de ambas as línguas. Já a edição de um periódico como o “Semanário”, publicado em Díli, necessita urgentemente de uma revisão cuidadosa de textos.
Sem dúvida que a identidade cultural de Timor-Leste passa em grande medida por uma independência linguística na região do sudeste asiático, o que explica a opção do português e do tétum como línguas oficiais deste jovem país. Ao mesmo tempo, a cultura da independência, forjada durante os anos da resistência, terá finalmente que respeitar as singularidades de um território surpreendentemente diverso. A cultura timorense é pois, de forma mais nítida do que em outros lugares, um processo, uma missão, um esforço que decorre entre o estado de “Babel” do território e a consciência de identidade nacional.

Daniel Tércio

sábado, janeiro 07, 2006

Uma outra forma de olhar para o mundo...

Uma outra forma de olhar para o mundo...

chuva

Díli, 7 de Janeiro de 2006

Chove na casa onde eu moro. Isto pode parecer pouco significativo, há outras casas em Timor nas quais chove, porém essas casas não custaram o balúrdio que esta custou à Cooperação Portuguesa. E não vale a pena procurar justificações sem pés nem cabeça, invocando a falta de profissionalismo dos trabalhadores timorenses. É verdade que os padrões de qualidade da mão-de-obra local ainda deixam muito a desejar, mas na casa onde vivi antes durante três anos e meio nunca choveu, e também foi (re)construída por uma instituição portuguesa. Muitos amigos meus timorenses moram em casas onde não chove, apesar de algumas serem construções muito modestas.
É triste quando os responsáveis se acomodam e se limitam a procurar desculpas para a mediocridade em vez de procurarem soluções...

Ontem o meu computador portátil esteve quase a dar o berro. Sobreaquecimento. Os quartos destas casas são cubículos quentes mais apropriados para pôr prisioneiros em regime de isolamento do que para albergar professores de quem se espera produtividade no trabalho, e os aparelhos de ar condicionado estão quase todos avariados. Comprei uma ventoinha grande e ontem estive com ela nas mãos apontada para o computador para o arrefecer.
Tirando este tipo de pormenores de logística, continuo muito feliz com o meu trabalho. E não me esqueço que a instituição ao serviço da qual me encontro me contratou quando as forças das trevas lideradas pela Dona Do Lápis Azul Da Censura se erguiam para me tramar. Alguns poderosos não gostam dos pequenos que dizem a verdade...
Enfim, como cantava o cantor de intervenção português Zeca Afonso:

Quando a corja topa da janela
O que faz falta
Quando o pão que comes sabe a merda
O que faz falta
O que faz falta é avisar a malta
O que faz falta
O que faz falta é avisar a malta
O que faz falta
Quando nunca a noite foi dormida
O que faz falta
Quando a raiva nunca foi vencida
O que faz falta
O que faz falta é animar a malta
O que faz falta
O que faz falta é acordar a malta
O que faz falta
Quando nunca a infância teve infância
O que faz falta
Quando sabes que vai haver dança
O que faz falta
O que faz falta é animar a malta
O que faz falta
O que faz falta é empurrar a malta
O que faz falta
Quando um cão te morde a canela
O que faz falta
Quando a esquina há sempre uma cabeça
O que faz falta
O que faz falta é animar a malta
O que faz falta
O que faz falta é empurrar a malta
O que faz falta
Quando um homem dorme na valeta
O que faz falta
Quando dizem que isto é tudo treta
O que faz falta
O que faz falta é agitar a malta
O que faz falta
O que faz falta é libertar a malta
O que faz falta
Se o patrão não vai com duas loas
O que faz falta
Se o fascista conspira na sombra
O que faz falta
O que faz falta é avisar a malta
O que faz falta
O que faz falta é dar poder a malta
O que faz falta


Dili, 7 Janeiru 2006

Udan tama iha uma-laran iha uma ne'ebé ha'u hela bá. Ne'e bele haree hanesan buat ida ladún importante, iha uma seluk tan iha Timór ne'ebé udan tama iha laran, maibé uma hirak-ne'e la kusta folin karun paramate hanesan folin ne'ebé Kooperasaun Portugeza selu ba uma ne'e. No lalika buka esplikasaun la hun la dikin, hodi temi serbisu-na'in timoroan sira-nia profisionalizmu ne'ebé la iha. Tebes katak kualidade maun-de-obra iha-ne'e seidauk di'ak, maibé iha uma ne'ebé uluk ha'u hela bá durante tinan tolu ho balun nunka udan iha uma-laran, no uma ne'e mós instituisaun portugeza ida maka harii (fila fali). Ha'u-nia belun timoroan barak hela iha uma ne'ebé udan la tama iha laran, maski uma sira-ne'e balu kiak de'it.
Ne'e buat triste bainhira makaer sira tuur iha sira-nia kadeira no la hanoin problema sira-ne'e no buka de'it justifikasaun ba hahalok ladi'ak ka beik envezde buka solusaun...

Horisehik ha'u-nia komputadór portatil besik atu sai aat tiha. Manas demais. Kuartu sira iha uma sira-ne'e hanesan kaixa ki'ikoan ne'ebé di'ak liu atu hatama ema-dadur iha rejime mesamesak (izolamentu) duké atu sai hela-fatin ba profesór sira-ne'ebé tuir loloos tenke bele serbisu ho di'ak, no mákina ár-kondisionadu kuaze hotu iha-ne'e aat tiha. Ha'u sosa tiha ona ventuiña boot ida no horisehik ha'u kaer nia iha liman fila ba komputadór hodi halo nia malirin fali.
Selae ba pormenór lojístika nian hanesan ne'e, ha'u kontinua haksolok tebes ho ha'u-nia serbisu. No ha'u la haluha katak instituisaun ne'ebé ha'u serbisu daudaun ba sira kontrata ha'u bainhira kbiit nakukun nian, ne'ebé Señora Sensura-Na'in maka ukun, hamriik hodi halo aat mai ha'u. Ema-Boot balu la gosta ema-ki'ik ne'ebé ko'alia lia-loos...
Enfín, hanesan kantadór-intervensaun portugés Zeca Afonso uluk hananu:

[kantiga ne'e kanta ho lia-portugés – ha'u só tradús nia liafuan ne'e ba tetun ba timoroan sira hotu atu bele komprende]

Bainhira ema aat sira haree husi janela
Saida maka presiza
Bainhira paun ne'ebé ó han nia gostu hanesan teen
Saida maka presiza
Saida maka presiza maka aviza ema sira
Saida maka presiza
Saida maka presiza maka aviza ema sira
Saida maka presiza
Bainhira nunka bele toba-dukur iha rai-kalan
Saida maka presiza
Bainhira nunka bele halakon sentimentu hirus
Saida maka presiza
Saida maka presiza maka fó-neon ba ema sira
Saida maka presiza
Saida maka presiza maka hadeer ema sira
Saida maka presiza
Bainhira labarik nunka bele moris hanesan labarik
Saida maka presiza
Bainhira ó hatene katak buat ruma atu akontese
Saida maka presiza
Saida maka presiza maka fó-neon ba ema sira
Saida maka presiza
Saida maka presiza maka dudu ema sira
Saida maka presiza
Bainhira asu ida tata ó-nia ain
Saida maka presiza
Bainhira iha dalan-sikun sempre iha ulun-fatuk ida hafuhu
Saida maka presiza
Saida maka presiza maka fó-neon ba ema sira
Saida maka presiza
Saida maka presiza maka dudu ema sira
Saida maka presiza
Bainhira mane ida toba iha valeta-kuak
Saida maka presiza
Bainhira sira dehan katak buat sira-ne'e hotu ko'alia leet de'it
Saida maka presiza
Saida maka presiza maka book ema sira-nia hanoin
Saida maka presiza
Saida maka presiza maka liberta ema sira
Saida maka presiza
Se patraun la muda an ho liafuan-hahi'i ida ka rua
Saida maka presiza
Se faxista halo konspirasaun subar iha mahon
Saida maka presiza
Saida maka presiza maka aviza ema sira
Saida maka presiza
Saida maka presiza maka fó kbiit ba ema sira
Saida maka presiza

sorriso

oin-midar

sexta-feira, janeiro 06, 2006

tocodede

Díli, 6 de Janeiro de 2006

Saiu ontem – com bastante atraso – o último “Semanário”, que traz como suplemento o “Várzea de Letras” no qual aparece a tradução para tocodede do meu artigo sobre literatura de Timor. Eu e a Anoi é que traduzimos o texto, com ajuda da Cesaltina. Que eu saiba é o primeiro texto publicado em tocodede na história desta língua.
Alguns malais, normalmente portugueses, dizem que eu sou maluco por gastar tempo e energia para procurar dominar uma língua como o tocodede. Dizem eles que nem o tétum vale a pena aprender, porque não serve para nada no mundo lá fora. Alguns desses estão por aqui – supostamente para trabalhar em cooperação com os timorenses – há muitos anos.
Muitos desses malais vão sair de Timor um dia sem nunca terem tido um amigo timorense. Deve ser triste ser assim.
Muitos desses malais só falam com os timorenses que lhes limpam a casa, com as empregadas de mesa nos restaurantes, com os formandos a quem dão aulas... Por isso passam a maior parte do tempo a falar sozinhos, ou ouvem timorenses em conversas da treta que lhes dizem aquilo que eles querem ouvir, que é como os portugueses são boas pessoas e como estão ansiosos por aprender a língua portuguesa. Na verdade a opinião generalizada entre os timorenses é que os portugueses que por cá andam são uns pedantes. É com tristeza que eu constato a surpresa dos taxistas e das pessoas comuns na rua ou no mercado quando, depois de um bocado de conversa (em tétum), eu digo que venho de Portugal – como falo fluentemente tétum pensavam que eu era australiano, ou quando muito brasileiro!
A postura desses portugueses é apoiada pela existência de malais importantes sentados em gabinetes em Lisboa que tomam decisões como a de usar o “Auto da Barca do Inferno” de Gil Vicente como um texto de estudo num curso de português L2/LE, cujos aprendentes têm grande dificuldade em compreender e interpretar textos em língua portuguesa contemporânea.
E adiante... Eu cá vou andando “com a cabeça entre as orelhas”, e estou a aprender tocodede. Digamos que é mais um passo adiante, agora em direcção ao mundo das montanhas.
JP Esperança


Dili, 6 Janeiru 2006

Horisehik foin sai – tarde liu ona – “Semanário” ikus, ne'ebé inklui “Várzea de Letras” nu'udar suplementu no iha tradusaun ba tokodede husi ha'u-nia artigu kona-ba literatura kona-ba Timór. Ha'u ho Anoi maka tradús testu ne'e, ho ajuda husi Cesaltina. Tuir buat ne'ebé ha'u hatene ne'e testu dahuluk ne'ebé publika iha dalen tokodede iha Istória lian ida-ne'e nian.
Malai balu, baibain portugés sira, dehan katak ha'u bulak tanba ha'u gasta tempu ho enerjia hodi buka ko'alia moos lian ida hanesan tokodede. Sira hateten katak tetun rasik mós la di'ak atu aprende, tanba la serve ba buat ida iha mundu iha li'ur. Balu husi malai sira-ne'e hela iha-ne'e – parese katak sira-nia knaar atu serbisu lisuk ho timoroan sira – tinan barak tiha ona.
Barak husi malai sira-ne'e sei sai husi Timór loron ida no sira nunka iha belun timoroan ida. Ha'u hanoin katak ne'e buat triste bainhira ema hanesan ne'e.
Barak husi malai sira-ne'e só ko'alia ho timoroan ne'ebé hamoos sira-nia uma-laran, ho empregada-meza iha restaurante, ho alunu sira ne'ebé sira hanorin... Tanba ne'e sira pasa sira-nia tempu barakliu ko'alia mesamesak, ka rona timoroan dehan leet de'it buat ne'ebé malai sira hakarak rona, katak ema-portugés sira laran-di'ak no katak sira ansi loos atu aprende dalen portugés. Tebes maka timoroan sira barakliu hanoin katak malai portugés sira ne'ebé hela iha-ne'e halo an de'it. Ha'u sente laran-kraik bainhira ha'u haree taksista ka ema baibain iha lurón ka iha basar hakfodak loos bainhira, liutiha ami ko'alia uitoan (ho lian tetun), ha'u hateten katak ha'u mai husi Portugál – tanba ha'u ko'alia tetun moos sira hanoin katak ha'u ema-Austrália, ka pelumenus ema-Brazíl!
Buat ida ne'ebé haberan malai portugés sira-nia jeitu ne'e maka iha malai boot sira ne'ebé tuur iha gabinete iha Lizboa no foti desizaun hanesan uza “Auto da Barca do Inferno” [pesa-teatru hakerek ho lia-portugés tinan atus barak liubá nian] husi Gil Vicente nu'udar testu atu estuda iha kursu lia-portugés nu'udar lian daruak ka lian rai-li'ur nian, ne'ebé alunu sira iha kursu ne'e susar tebetebes atu komprende no interpreta testu ne'ebé uza lian portugés agora daudaun nian.
Maibé mai ita la'o ba oin... Ha'u ne'e kontinua la'o daudaun ho “ha'u-nia kakutak iha tilun sira-nia klaran”, no ha'u aprende hela tokodede. Ita bele dehan katak ne'e hakat ida tan ba oin, agora iha diresaun ba mundu foho nian.
JP Esperança